terça-feira, 27 de outubro de 2020

HCREC #24: Colorido Artificialmente - A Tradicional Familia Mineira (2009)

 
Colorido Artificialmente foi uma banda formada em Belo Horizonte, em 2006. Com alguns shows realizados, entraram em estúdio para a gravação de seu único disco "A Tradicional Família Mineira", lançado de forma independente, em 2009. Ao fundir influências que vão desde o rock alternativo à música brasileira, encontra uma identidade sonora que abusa delicadamente dessas influências para compor um trabalho sem pretensões maiores, do que o de compor uma obra madura e duradoura. O único álbum da banda, apresenta um tema central que percorre todas as faixas do álbum, algumas vezes através uma perspectiva intimista, outras vezes, de forma mais clara e direta. Ambas criando espécies de crônicas, mediante a uma perspectiva alegórica da tradicional família mineira e da manifestação de seus impasses éticos e morais. Poucos meses após o lançamento de "A Tradicional Família Mineira" o Colorido Artificialmente se separou e nunca mais se reuniu como banda. O álbum está disponível pra download em nosso blog e também no bandcamp do selo.

Ouça/ baixe em seu streaming favorito:

Gravado por: Manuel Horta/Estúdio Na Trilha, Fabrício Galvani/Casa Antiga Estúdios, Marcelo Mercedo/Impar Estúdio.
Mixado e Masterizado por: Pedro Garcia - Estúdio Boom Box-RJ
Produzido por: Colorido Artificialmente
Foto capa: Breno Mayer
Design: vorko.org
Colorido Artificialmente era: Bruno Faleiro, Fernando Monteiro, João Guilherme Dayrell e Manuel Horta.
Participações de: Lucas Diniz em "Babel" e Jennifer Souza em "A Casa e o Sol".

 

Distribuição digital via TRATORE!

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

HC REC #23: Mellotrons - Mellotrons (2006)

 
A Mellotrons foi uma banda pernambucana formada no ano de 1997 que tinha forte influência do indie rock e shoegaze. O quarteto foi um dos destaques da cena independente do Recife na primeira década dos anos 2000, tendo se apresentado em todos os grandes eventos da cidade, estado e ido além da fronteira com apresentações em outros estados do nordeste. No ano de 2006, o grupo lançou de forma independente seu primeiro e único álbum homônimo. Antes, eles participaram de um Split com a banda potiguar Automatics em 2004.Nas palavras do Hugo Montarroyos em resenha no Recife Rock: "O álbum  beira a perfeição. Bem tocado, gravado e arranjado, traz o grupo apostando nas microfonias e distorções como instrumentos a mais em sua formação. E as influências de outrora estão todas ali: My Bloody Valentine, Radiohead, Smiths e Nada Surf". O álbum está disponível pra download no blog do Hominis Canidae e também no BANDCAMP DO SELO.

Ouça o álbum em seu streaming favorito:


 

FICHA TÉCNICA:

A Mellotrons era:  Haymone - guitarras, vocais, escaleta (guitars, vocals, melodica), Enio Damasceno - guitarras, vocais, sintetizador (guitars, vocals, synthesizer), Marcos Müller - baixo (bass) & Augusto César Ferreira - bateria (drums)
Produzido por (produced by): Zé Guilherme Allen
Gravado, mixado e masterizado: no estúdio Mr. Mouse no primeiro semestre de 2005 por Léo D. + William P.
Técnicos de som: Sergio Kyrillos + Daniel Sultanum
Projeto gráfico por: Flavio Pessoa 

 

Distribuição digital via TRATORE!

terça-feira, 20 de outubro de 2020

Embarque numa viagem sonora até Júpiter com o novo álbum do Riegulate


Riegulate é o projeto solo de beats do músico, compositor e produtor Rieg Wasa, que nasceu nos Estados Unidos, cresceu na Alemanha e que vive em João Pessoa à quase 20 anos, onde criou e consolidou sua carreira musical em bandas como a Rieg, o duo D_M_G  e o projeto Orijah, além de ser um dos produtores do BBS Estúdio, que tem lançado e trabalhado com diversos novos nomes da cena de João Pessoa, da Paraíba e diversos locais do Brasil.

JUPITER” (ouça no seu streaming favorito) é um registro solitário fruto da interação do músico com os apetrechos eletrônicos e o computador e uma vasta imaginação. Partindo de uma viagem na sua mente, Riegulate trás referências do sci-fi que permeiam todo o álbum. O trabalho conta a trajetória de um astronauta perdido no espaço indo em direção ao planeta Júpiter, com muita influencia dessa temática espacial e do cyberpunk. As 9 faixas foram criadas ou desenvolvidas dentro da primeira temporada do projeto #30dias30beats e misturam muita música eletrônica com ambiência psicodélica e cheia de Synths e beats, hora dançantes, outras experimentais.

A viagem sonora começa com “A Personal Voyage”, canção inspirada no doc “Cosmos” (1980), de Carl Sagan (assista o clipe). O faixa mais contemplativa do álbum foi composta no último dia do projeto #30dias30beats do ano passado e segundo Riegulate: “Foi bem significativo pra mim ter conseguido concluir o projeto dentro dos 30 dias, aprendi bastante sobre produção musical, o processo criativo e sobre mim mesmo. Nessa musica tentei expor um resumo de todos os estilos e todos os sentimentos que vivenciei nesses 30 dias”. Na segunda faixa “Night at the Opera”, temos uma faixa curta, quase uma vinheta, criada em 2009 pelo artista. O nome e a ideia vieram da cena da Ópera no filme “O Quinto Elemento”.

 A terceira faixa “7 Billion Souls” (veja o clipe), foi criada no último dia do #30dias30beats desse ano. Foi feita na solidão do inicio da pandemia da Covid-19 no Brasil, com emoções à flor da pele e muita incerteza no futuro, como nos contou o artista: “Tanto a música, quanto o clipe foram produzidos num dia só e bem no inicio da pandemia e o lockdown aqui na Paraíba. Todo mundo inseguro e com medo do que poderia chegar a acontecer, as incertezas e o recorrer a tecnologia para se sentir cuidado. Do nada temos lives todo dia, reuniões da empresa e da família no zoom, conectados sempre em todo lugar da casa, enquanto lá fora, o mundo está desmoronando. Estamos em um buraco negro”. Em “Pigments”, quarto tema do álbum, bate a incerteza da viagem. As cores já não são as mesmas, os pigmentos, tudo se transformou, “O buraco negro não é o que começo e nem o fim, ele apenas é”, conta Riegulate. A canção também é uma homenagem a banda Air.

 “Midnight Hour” talvez seja a faixa mais new wave do álbum e começou a ser composta em 2014. Nas palavras do artistas: “O astronauta solitário está descobrindo novas fronteiras, perdido no vácuo de um buraco negro. Mas, também sem nada a perder, ninguém esperando em casa, a solitude do abismo é aonde se sente em casa”. Na sexta faixa, “Soft Synth”, nosso viajante começa a receber frequências estranhas, interferências de algum lugar suave. “ritmos não legíveis, ondas difíceis de enxergar. Mas, eles parecem felizes, parecem bem”.

Em “Past Time”, outra canção que começou a ser composta em 2014 e uma música irmã/ espécie de continuação de “Midnight Hour”. É quando depois de anos no espaço sideral, observando apenas o abismo do vácuo da galáxia, nosso viajante se depara com alguma civilização. “Encontramos vida, Bora lá”! O oitavo tema “Rocking On Mars”, é a tentativa de entender o novo mundo em que estamos entrando. “Novas tecnologias, novos costumes, novas ondas. Estou vendo mudar, mas não estou enxergando mudanças ainda”, fala Riegulate.

Júpiter”, última faixa do álbum/viagem e mistura o passado com o presente e quem sabe um futuro não tão diferente assim?! É Rock, new wave, synth gótico, tudo junto. A canção foi composta em 2019, mas foi remixada e finalizada numa fita cassetete esse ano. Ou seja, é realmente o passado, o presente e algo do futuro, todos juntos.

JUPITER” foi todo composto, editado, mixado por Riegulate entre 2019 e 2020. Seja sozinho em sua casa, ou utilizando horas extras no BBS estúdio. A capa foi feita pelo designer paraibano Diogo Galvão.

OUÇA O ÁLBUM NO SEU STREAMING PREFERIDO


quinta-feira, 15 de outubro de 2020

HC REC #22: Riegulate - JUPITER (2020)

 
Riegulate é o projeto solo de beats do músico, compositor e produtor Rieg Wasa, que nasceu nos Estados Unidos, cresceu na Alemanha e que vive em João Pessoa há quase 20 anos, onde criou e consolidou sua carreira musical em bandas como a Rieg, o duo D_M_G  e o projeto Orijah, além de ser um dos produtores do BBS Estúdio, que tem lançado e trabalhado com diversos novos nomes da cena de João Pessoa, da Paraíba e diversos locais do Brasil.
 
 “JUPITER” é um registro solitário fruto da interação do músico com os apetrechos eletrônicos e o computador e uma vasta imaginação. Partindo de uma viagem na sua mente, Riegulate trás referências do sci-fi que permeiam todo o álbum. O trabalho conta a trajetória de um astronauta perdido no espaço indo em direção ao planeta Júpiter, com muita influencia dessa temática espacial e do cyberpunk. As 9 faixas foram criadas ou desenvolvidas dentro da primeira temporada do projeto #30dias30beats e misturam muita música eletrônica com ambiência psicodélica e cheia de Synths e beats, hora dançantes, outras experimentais. Baixe o álbum gratuitamente no bandcamp do selo.

Ouça/ baixe "JUPITER" em seu streaming favorito:


Ficha Técnica:

“JUPITER” foi todo composto, editado, mixado por Riegulate entre 2019 e 2020. Seja sozinho em sua casa, ou utilizando horas extras no BBS estúdio. A capa foi feita pelo designer paraibano Diogo Galvão.


Distribuição digital via TRATORE!

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Viaje pelo espaço com o Riegulate no clipe de “A Personal Voyage”


 Depois de lançar o single/clipe para “7 Billion Souls” (Veja o clipe aqui), terceira faixa do álbum JUPITER. Agora Riegulate apresenta o clipe para “A Personal Voyage”, música que abre o álbum que narra a viagem de um astronauta ao planeta Júpiter. A canção foi a última composta dentro do projeto #30dias30beats, lançada no último dia do projeto, e segundo Riegulate: “Foi bem significativo pra mim ter conseguido concluir o projeto dentro dos 30 dias, aprendi bastante sobre produção musical, o processo criativo e sobre mim mesmo. Nessa musica tentei expor um resumo de todos os estilos e todos os sentimentos que vivenciei nesses 30 dias”.

 O nome da canção foi retirado do documentário “Cosmos” (1980), de Carl Sagan. No doc aparece a seguinte mensagem "Cosmos: Uma Viagem Pessoal", e casou muito bem no nome do tema instrumental. A canção vem acompanhada de um clipe de cerca de 5 minutos criado com imagens espaciais a partir da narrativa do astronauta perdido no espaço. “É um momento estilo o final do filme 2001, essa sobrecarga de informação, imagens, sons e sentimentos”, completa Riegulate.

 Veja o clipe de "A Personal Voyage":

 

JUPITER tem 9 faixas que misturam música eletrônica, ambiência psicodélica e cheia de Synths hora dançantes, outras experimentais e conta a trajetória de um astronauta perdido no espaço indo em direção ao planeta Júpiter, com muita influencia dessa temática espacial e do cyberpunk. O álbum será lançado em todos os streamings nos primeiros segundos do dia 15 de Outubro (faça o pré-save aqui).

É possível baixar o single de “A Personal Voyage” no formato de sua preferência no bandcamp do selo (Se quiser veicular em seu programa/ podcast, fique a vontade).

Caso mais algum colega queira ouvir o álbum na integra, antes do lançamento, basta solicitar respondendo esse e-mail ou enviando um e-mail pro selo no endereço: rec@hominiscanidae.org

domingo, 4 de outubro de 2020

O elogiado 1º álbum do projeto eletrônico pernambucano Chambaril chega aos streamings

Chambaril (em formato banda), foto por: Queops Negronski

Chambaril é um projeto de música eletrônica do inicio dos anos 2000 em Recife, encabeçado por manipuladores de som e músicos: Claudio N e Pi-R. Ao vivo, o projeto se desdobrava em banda com formação fluida de jovens e talentosos músicos (a mais conhecida delas, essa ai da foto do Quéops Negronski). As músicas misturavam estilos que iam do brega recifense ao Miami bass, tão famoso no funk carioca, passando pelo Hip Hop, sonoridades indies de outros tempos e até metal (ouça “The Funker”, amigo banger). Tudo isso em colagens sonoras, beats e passando por falas e frases incríveis de Costinha e outros nomes, que já eram meme, antes mesmo dos memes bombarem na internet.

Em 2005, o projeto lançou seu primeiro álbum homônimo pelo extinto selo Bazuka Discos, do Coquetel Molotov, com distribuição por outro selo importante pro indie nacional que não existe mais, a Peligro. Na época do lançamento, Alexandre Matias (ele mesmo, do Trabalho Sujo, a época na Folha de São Paulo) falou o seguinte sobre o trabalho: "O primeiro disco, batizado com o nome da banda, abre com beats de hip hop velha-guarda, cordas chorosas que parecem terem sido abduzidas do "Álbum Branco" dos Beatles, levada sintética de flash-house, baixo à Prince, piano apocalíptico, gemido de gaita de blues. Mas a indigestão é meramente textual -em disco, tudo flui macio e sutil".

Ouça no seu streaming favorito aqui

O álbum, com 14 faixas, foi um dos destaques da cena indie pernambucana do inicio deste século, que tentava emergir da lama pós a exaltação do manguebit de Chico e cia. Tal qual a mistura de aroma e sabores do prato Chambaril, o projeto dava o tom de aleatoriedade pós-moderna, tão comum hoje em dia. Onde tudo se mistura, desde as tags aos estilos de vida e acaba na criação de algo novo. Nas palavras do Lúcio Ribeiro (ele mesmo, do Popload, à época, em coluna também na Folha de São Paulo): “O CD do Chambaril, guardada às proporções, lembra "Sobrevivendo no Inferno", do Racionais MC's, dada a enorme quantidade de auto-informação misturada a informações "recebidas", na forma de samplers”. Ou faça como o Diplo, que apelidou o álbum de “Baião de Samplers” e disse a revista Trip: “Eu poderia estar fazendo qualquer coisa e ouvindo o som”.

A questão é que 15 anos depois de seu lançamento o álbum soa tão atual quanto na época em que foi lançado e chega aos streamings em mais um resgate do selo Hominis Canidae REC. O álbum foi disponibilizado no blog do Hominis Canidae pra download 10 anos atrás (baixe aqui) e foi um dos primeiros pensados para essa fase de resgate sonoro para os streamings modernos!

Ouça e/ou baixe o álbum em seu streaming favorito CLICANDO AQUI!

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Riegulate lança single/clipe cheio de beats, synths e Cyberpunk: Ouça/veja "7 Billion Souls"


Riegulate é o projeto solo do músico, compositor e produtor Rieg Wasa, nascido nos Estados Unidos, crescido na Alemanha e que vive em João Pessoa a quase 20 anos, onde criou e consolidou sua carreira musical em bandas como a Rieg, o duo D_M_G  e o projeto Orijah, além de ser um dos produtores do BBS Estúdio, que tem lançado e trabalhado com diversos novos nomes da cena de João Pessoa, da Paraíba e diversos locais do Brasil.
 
"7 Billion Souls" é o primeiro single do álbum solo de beats do músico, intitulado “JUPITER”, que será lançado dia 15 de Outubro em todas as plataformas de streaming pela Tratore (faça o pré-save aqui) e pra download no bandcamp pelo selo Hominis Canidae REC. Este será o primeiro lançamento inédito do selo virtual, que tem feito resgates de vários sons e bandas do nordestes como Chambaril e Retrovisores de Recife, Ubella Preta e Dalila no Caos de João Pessoa, Dante Augusto e a banda Zurdo de Natal, que ainda não estavam nos serviços de streaming e que agora estão.
 
JUPITER”, conta a trajetória de um astronauta perdido no espaço indo em direção ao planeta Júpiter, com muita influencia dessa temática espacial e do cyberpunk na pós-modernidade. "7 Billion Souls" é a terceira faixa do álbum, uma canção cheia de beats e synths, com uma pegada pop dançante e psicodélica e vem acompanhada por um clipe todo criado e editado pelo artista. Segundo o Riegulate: "7 billion souls foi criada no último dia da ação #30dias30beats. Tanto a música, quanto o clipe foram produzidos num dia só e bem no inicio da pandemia e o lockdown aqui na Paraíba. Todo mundo inseguro e com medo do que poderia chegar a acontecer, as incertezas e o recorrer a tecnologia para se sentir cuidado. Do nada temos lives todo dia, reuniões da empresa e da família no zoom, conectados sempre em todo lugar da casa, enquanto lá fora, o mundo está desmoronando. Isso é o novo normal? Isso é a frase magica que vai nos fazer nos tranquilizar?".
 

O clipe é um registro solitário que mostra a interação solitária do artista com os apetrechos eletrônicos e o computador trancado em sua casa, e é o cartão de visitas do que está por vir:

 

A faixa saiu como single inédito na coletânea de Setembro do Hominis Canidae e é possível baixar a canção gratuitamente em diversos formatos (wav, flac, mp3, etc) neste link (É permitido tocar em qualquer programa de rádio/ web radio). 

Caso algum colega jornalista queira ouvir o álbum na integra, antes do lançamento, basta solicitar respondendo esse e-mail ou enviando um e-mail pro selo no endereço: rec@hominiscanidae.org